Controle de moscas e mosquitos

As moscas, principalmente a Musca domestica, corresponde a um dos maiores problemas encontrados tanto na área rural quanto na área urbana. São vários os mecanismos pelos quais a Musca domestica veicula os patógenos, dentre eles destacam-se: a regurgitação – alimentando-se de fezes, feridas ou animais mortos, depositando posteriormente a saliva contaminada sobre alimentos, tanto de humanos como de aves ou outros animais; pela veiculação mecânica de patógenos aderidos às patas e cerdas do corpo; através de dejetos de suas fezes e ainda podendo ser hospedeiro intermediário de alguns helmintos de importância veterinária.

Entre os patógenos veiculados pela Musca domestica se destacam bactérias como Enterobacter spp, Escherichia coli, Salmonella spp, Shigella spp, Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, Streptococcus faecalis, Pseudomonas aeruginosa, protozoários como Entamoeba histolytica e Giardia intestinalis, vírus causadores de polioviroses e hepatites, entre outros patógenos.

Como poderá confirmar na sessão “Quem Somos Nós”, possuímos uma larga experiencia em trabalhos científicos com o controle biológico de Musca domestica e toda essa experiencia utilizamos nos protocolos desenvolvidos especificamente para cada cliente.

Quanto aos mosquitos, nos centros urbanos possuímos basicamente três espécies vetores de doenças e que são responsáveis por várias mortes de pessoas em todo o país. Dentre estes, temos o Aedes aegypti, transmissor da chicungunha, dengue, febre amarela e da zika. O Lutzomyia longipalpes, também conhecido como mosquito palha, sendo o responsável pela transmissão da leishmaniose para cães e humanos e, por último, temos o Culex quinquefasciatus, vulgo pernilongo noturno, que além de incomodar durante o sono também transmite doença como a filariose em algumas regiões do país.